terça-feira, 8 de dezembro de 2009

A RELIGIÃO VIROU COMÉRCIO?


Sei que vou tratar de um tema polêmico, pois tem um ditado que diz: mulher, futebol e religião não se discutem, pois cada um tem a sua.
Porém, como o assunto ética é um tema que gosto de discutir, então me questionei, será que o papel exercido atualmente pelas religiões tem sido ético? Será correto vender o céu? Prometer milagres e fortunas em troca do suado dinheiro conseguido com muito trabalho, é honesto isto? Será que não transformaram a religião em um lucrativo e desleal comércio uma vez que são isentos de impostos? Porque pessoas entram pobres e pouco tempo depois passam a desfilar como novos ricos? Como conseguiram a fortuna, alguém tem se perguntado?
Como prega os religiosos, começo citando Mateus, no Cap. 10, versículo 08: “Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, purificai leprosos, expeli demônios. DAÍ DE GRAÇA O QUE RECEBESTE DE GRAÇA”.
Então me pergunto: o que justifica estes pregadores praticamente imporem a entrega de dinheiro e bens, de parte das suas “ovelhas”? Claro que dirão que as doações são espontâneas, então porque as ameaças a difusão do medo e da discórdia? Quer confirmar, é só entrar em uma dessas igrejas.
Alguns dirão que a igreja tem despesas correntes, então onde se encaixaria a citação de Mateus?
Entre as fontes de receitas das igrejas, temos o consagrado dízimo, que algum analista mais versado, o considera como crime de SIMONIA, se amparando no versículo dos Hebreus 7,5 que cita: “apenas os filhos de Levi, aqueles que se tornarem sacerdotes podem receber o dízimo, ou seja, aqueles que forem ungidos por Deus e responsáveis pela obra do Senhor devem recolher os dízimos, do resto não podem receber o seu dízimo”.
Portanto é fundamentado nestas afirmações, que as pessoas que estudam os atos legais religiosos, que enquadra ao dízimo em crime de Simonia, entendendo está se comercializando coisas sagradas, divinas e eternas, e o pior, em nome do Senhor.
Talvez, seja diante de tanta facilidade de ganhar dinheiro, que se assiste a cada hora o surgimento de uma igreja. Hoje temos igreja em cada esquina das ruas. Já virou moda dizer sou cristão, como se todos não fôssemos, sendo bastante que você professe uma religião que siga os ensinamentos deixados por Cristo para ser cristão.
Assistem-se, em nome da pregação, pessoas que se dizem pastores - neste espaço entendido como pregadores religiosos -, ocuparem espaços no rádio e televisão para vociferar contra aqueles que não seguem os seus ideais. Porém uma coisa me deixa intrigado: todos sabem que um minuto na televisão é caríssimo, imagine uma hora? De onde provêm estes recursos?
Talvez este seja um dos motivos de vermos tanta gente incrédula e sem acreditar nas religiões aí constituídas, onde nenhuma tem feito de Cristo os seus passos, e sim, se utilizam do nome Cristo para justificar a exploração da fé humana.
As religiões que deveriam ter sido criadas para apoiar a humanidade, principalmente em seus momentos de fraqueza, os seus pastores tem feito dela o meio de usá-la em benefício próprio, utilizando-se de rituais para paralisar e amedrontar as pessoas, de forma que possam tirar proveito. Será que foi esta a passagem de Cristo na Terra?
Não se lembram que um dos primeiros atos dele foi exatamente expulsar os vendilhões do templo? E o que fazem hoje não é o mesmo daqueles que Cristo expulsou ou estou enganado? Porque não se ouve mais esta citação nas diversas pregações? Será que como tantas outras, também já excluíram dos textos bíblicos modernos?
Alguém ainda está lembrado daqueles padres e pastores humildes, andando a pé, indo nas casas das roças, visitando as famílias, indo aos hospitais levando a paz para os doentes. Claro que não, pois isto é coisa do passado, o que vemos hoje, é igrejas cada uma mais suntuosa do que a outra, disputando poder entre si, padres e pastores em carrões modernos, com casas de veraneio luxuosas, levando uma vida que muitos empresários invejam e se Cristo não voltar a tempo, como eles berram toda hora, serão eles que irão assumir o seu lugar, isto se alguns não já assumiram.
Portanto, hoje, a religião se transformou em porta de entrada tanto para aqueles que estão em busca de consolo e fé, como também para os espertalhões que viram nela a saída para os seus problemas financeiros e tem feito dela o meio de enriquecimento ilícito.
Então deixo a pergunta, para a qual espero um dia obter a resposta: Não será as religiões nos tempos atuais um comércio?
Apenas uma curiosidade: em um trabalho jornalístico feito pela Folha de São Paulo, (...) “bastaram cinco dias úteis e R$ 418,42, somando gastos com cartório e obtenção de CNPJ, para a reportagem da Folha criar uma igreja. Com o número no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, os três fundadores da igreja puderam abrir uma conta bancária e fazer aplicações livres de Imposto de Renda e Imposto sobre Operações Financeira”... Enquanto isto, uma pessoa qualquer que queira abrir uma micro ou pequena empresa, pena e pena muito para conseguir regularizar-se, sendo estes um dos motivos da informalidade.

6 comentários:

Francklin Sá disse...

O que vc entende de Religião?
DE: Nivalda Sousa Braga
Para: palavradesa
Conhece a Palavra de Deus?
Se conheces não colocaria esses questionamento na net "Religião ou comércio"
Faça uma reflexão e pense; no luigar da crítica se vc evangelisar seria bem
mais agradável aos olhos de Deus. Irmão não julgue para não ser julgado, isso
é uma tarefa que não é nossa;
Fica com Deus!!!!!!

Luiz Claudio Cunha Souza disse...

E também a Igreja Católica exibindo a imagem de cristo "anglo-saxão" numa atitude a meu ver racista, apesar de eu ser católico é razão suficiente para que eu e muitos se afastem da instituição. O que devemos deixar claro é que, uma coisa é o que Jesus dizia e outra, é a maneira como os homens e as igrejas criadas posteriormente, se utilizam destes conhecimentos.

luciano disse...

Sr. Sá,

A palavra evangelisar diz tudo; concordo plenamente com suas palavras e de modo algum venha a surpreender-se com comentários que desaprovam ; é inclusive temeroso discordar deste modus operantti praticado; adotei a seguinte estrada: Deus esta comigo,portanto basta caminhar praticando seus ensinamentos que são claros e objetivos " não queira para teu semelhante, o que não queiras para ti" e desta maneira descarto a pseudo mão de "condutores"(não pastores)na trilha da vida!Parabéns pela coragem e pela transparencia de pensamento compartilhado.

Anônimo disse...

Enquanto a ignorância da população for fomentada pelos inescrupulosos políticos e juristas, que colocou o Brasil atras do Equador, du Uruguai e Bolívia noitem EDUCAÇÂO, esta situação deve se perdurar. Gostei das vossas perguntas. Acredito que estas iniciativas provocam mudanças sim! Parabéns pelo texto.

luciano disse...

vender o "amanhâ" ! Podem acreditar:
nunca será entregue posso garantir!

Unknown disse...

Bom em 2012 recém chegada do interior de SP pra grande Capital passei por uma situação muito ruim na igreja Universal das ruas das Palmeiras.
Um dia passando por uma dificuldade financeira entrei na igreja chorando em busca de uma palavra amiga de um conforto eu queria que Deus falasse comigo, cheguei já no meio do culto e no final foi falar com o pastor pedir pra que ele orasse por mim na qual é instante e pra minha surpresa ele me perguntou se eu havia dado o dismo eu respondi que não é nem. Podia pois não tinha dinheiro expliquei minha situação a ele.
Simplesmente o pastor me respondeu que iria orar pra mim quando eu pagasse o dismo, sai da igreja constrangida e mais triste ainda.
Mas com toda minha fraqueza eu mesma orei e falei tudo com Deus e mais que de pressa Deus me estendeu as mãos e abriu as portas do emprego.
Hoje estou casada tenho uma família linda e não precisei pagar dismo,faço Boas ações mas não a igreja nem uma.