quinta-feira, 15 de março de 2012

POLÍTICA: ARTE DE SERVIR OU TRAPACEAR?


Aprende-se nos bancos escolares que política é a ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados, ou seja, Política seria a arte de governar os povos e que cabe ao homem, como animal político por natureza e ser pensante racional, fazer com que esta arte seja direcionada para os interesses da coletividade, visando alcançar seu principal objetivo que é criar uma relação de amizade, bem estar e de boa convivência entre os seus cidadãos.
Isto na teoria, por que na prática o que se assiste é a sucessão de uma infinidade de erros políticos, em sua grande maioria praticada de forma intencional que, uma vez cometidos, tornam-se princípios e a continuação do fazer política para alcançar outros meios e objetivos, que não àquele de servir a sociedade.
Nos dias atuais, temos observado ter se tornado um erro muito comum da maioria da população, acreditar que aqueles que mais fazem barulho ou a “lamentarem-se” em favor do público ou dos menos favorecidos, sejam os que mais estão preocupados com o seu bem-estar. Pelo contrário, muitos desses fazem do estardalhaço o meio encontrado para obter as benesses que só o executivo pode lhes conceder.
A forma atual como é praticada a arte política, observa-se claramente que esta abandonou a moral e a ética deixando de ser a arte do possível. O que mais se tem visto em nossos homens públicos é que deixaram de viver para a política, passando a viver da política, para isto, tem se utilizado da trapaça, má fé e duplicidade dos seus atos, procurando assim se dar bem, cuja prática, infelizmente, tem sido usual e tem sido este o caráter predominante da maioria daqueles que fazem política em nosso País.
Reconhecemos que errar é humano, mas os erros praticados pelos políticos não podem e não devem ser perdoados, porque a sua prática é planejada e realizada de forma consciente e deliberada, tramadas em luxuosos gabinetes - empresariais e ou ministerais -, cercados de todas as garantías, sempre se servindo da máxima “que é dando que se recebe”.
Seria muito bom que os agentes políticos, em sua maioria, tivessem na sua formação o mínimo de caráter para que pudessem ser respeitados, permanecendo coerentes com o seu ideario político, sem nunca abandonar a orientação e as idéias partidárias. Diferente do que vemos nos días atuais, onde mesmo antes de ter seu nome aprovado pela convenção partidária, já começam a fazer negociatas, tramando contra o próprio partido, onde na calada da noite e ás escondidas apoia o candidato ao executivo adversario. E exemplos temos muito.
Infelizmente, o que se tem assistido é a prodominância da má fé e da falta de respeito para com a sociedade por nossos homens públicos, onde a ética e a moral deixou de ser observada e a bússola na hora de fazer política.
Atualmente, a experiencia tem comprovado através das ações diárias, que está ficando difícil encontrar um político que se utilize de métodos criteriosos e honestos no seu relacionamento com o público, a coisa chegou a tal ponto, que se assiste em algumas rodas, afirmativas que este tipo de homem é tão inconcebível no ambiente político quanto você encontrar um assaltante honesto.
Será que a nossa democracia está nos levando para esta encruzilhada?
Interesante observar, que apesar dos belos discursos durante as campanhas eleitorais, o objetivo traçado por aqueles que conquistam o Poder, não é a busca do bem - estar da população, principalmente das camadas mais pobres da sociedade e sim, gestar políticas e ações que tratem de limitar o ser humano, domesticando-o, de forma que o torne submisso, subjugando-o aos seus interesses. Por isso, a péssima educação pública oferecida aos nossos jovens pobres e da periferia.
E exemplos não nos tem faltado. Ontem foram os direitos trabalhistas e sindicais, criados como uma benesse daqueles que sempre dominaram o Poder, hoje são as ações e programas ditos sociais, todos utilizados com um único objetivo: manipular e subjugar a vontade da sociedade.
E há ainda aqueles que ousam se regozijar pelos Governos que tem ou soltam foguetes quando ocorrem mudanças, acreditando que serão olhados de forma diferente. Quanto engano, como diz o ditado popular, apenas trocamos as coleiras.<
Na verdade não passam de tolos, pois não entendem ou não enxergam que nada muda, apenas os nomes ou a sigla partidária. Vejam a nível nacional se os nomes não são os mesmos que figuram em volta ou que permanecem no controle do Poder? O projeto é o mesmo. A manutenção e perpetuação do Poder pelo Poder, haja vista que todos atualmente que fazem política, não o fazem com a intenção de bem servir e sim, de se servirem, pois como homens públicos não passam de egoístas e insensíveis.
Já dizia Lao-Tsé: "A política dos governantes sábios consiste em esvaziar a mente dos homens e encher-lhes o estômago. Um povo que sabe demais é difícil de governar. Aqueles que julgam promover o bem-estar de uma nação, espalhando nela a instrução, enganam-se e arruínam a nação. Manter o povo na ignorância: eis o caminho da salvação."
Entendeu agora por que a educação em nosso País é tão “valorizada”?
E esta tem sido a máxima das nossas elites políticas e que tão bem as utilizam no seu dia a dia, ou seja, não querem ter pela frente um povo que possa enfrentá-lo no conhecimento ou em condições de exigir seus direitos e praticar a cidadania. Quando se apercebem que alguém ousa ameaçar a sua posição, seja no conhecimento técnico-teórico, no prestígio, no dinheiro ou no poder, trata de os destruírem, porque se assim não agir, tem a certeza que será destruído.
Seria importante que a população tomasse consciencia que, o ente Governo nada mais é que um monstro frio e insensível e que aqueles que dele se apoderam, são dirigentes que mentem fríamente e cinicamente, sem o mínimo pudor e a menor sensibilidade, e esta mentira sai de sua boca de forma sarcástica, quando dizem que ali estão se sacrificando para representar o povo.
Quanta mentira. Lá estão sim, representando os intereses das elites, daqueles que os financiaram e aos seus próprios interesses.
A coisa está chegando a tal ponto, que está cada vez mais difícil diferenciar na política brasileira, aqueles homens considerados capazes, daqueles capazes de tudo e de qualquer coisa.
Há quem diga que fazer política é uma arte, onde o ator principal, o político, deve ter a capacidade suficiente para retirar dinheiro dos ricos e de arrancar votos dos pobres e depois de eleito, dá as costas para o último e esnobar o primeiro, sem ficar seus inimigos, já que encerrada as eleições ele já começa a pensar na próxima.
Esta forma de pensar é que faz a grande diferença entre o político e o estadista. Este, pensa nas próximas gerações, enquanto o político só pensa na próxima eleição. Este último é a espécie que predomina no nosso meio político. Me aponte um estadista entre eles se for capaz?
Está na hora de acabar com a máxima que “a política é a arte de governar com o máximo de promesas e o mínimo de realizações”. É preciso que aqueles que se propõem a fazer política entendam que esta é uma arte que deve ser exercida em todas as suas dimensões e essência, personificando as preocupações comuns e expressando as decisões de modo a atender as necessidades da maioria, visando aglutinar as vontades em prol dos mais necessitados, nem que para isto seja necessário sacrifícios.
Em um País bem governado, seus dirigentes teriam vergonha da pobreza e não sairia por aí se vangloriando de Programas Sociais que distribui migalhas. Já em um país mal governado, os agentes políticos se vangloriam da riqueza concentrada em uma minoria, sem que as benessses do seu desenvolvimento econômico, seja distribuída de forma igualitária.

9 comentários:

maricota disse...

O texto está afinado com o que penso e vejo. Só não entendi a comparação entre político e estadista, ele é a favor do Estado?
<

Palavradesa disse...

Maricota,
Apenas para esclarecer, o estadista é aquele que pensa a frente no futuro, não se apega ao imediatismo como os nossos políticos.

Nelson Pereira disse...

No universo nada é mais direitista do que um representante da
esquerda no poder. E a história tem comprovado repetidas vezes essa teoria.
Conhecido, antes de chegar ao Palácio do Planalto, como defensor dos trabalhadores, o ex-sindicalista Lula não fez cerimônia e, ao pisar no
Palácio do Planalto, se entregou às benesses do poder, todas financiadas com o suado dinheiro do contribuinte.
Ao que parece, a agora presidente Dilma Rousseff herdou de
seu antecessor o apreço pelas coisas boas do poder.

bentilho jorge silva filho disse...

ola bona tago em esperanto obrigado pelas impreçoes deste jornal que lhe desafiar para dilvulgar os ataques que os quilombolas da bahia estao sofrendo neste estado de 68 porcenteo de negros que continua escravos deste sistema branco racista quilombolas dos macacos estao sendo atacados pelos militares da marinha maiores informçoes entre google causa operaria gis revido graça e paz

Edilson Junior disse...

Esse papo de direita e esquerda está totalmente superado. Esquerda e direita, no Brasil de hoje, só existe em sinal de trãnsito. O PT é um saco de gatos. Fez aliança até com o satanaz para chegar ao poder e se manter nele. Pensar o contrário é babaquice.

Beline Santos disse...

Fraude em licitações públicas:
Isto pode ser novidade para muitos. Mas eu tenho certeza que a grande maioria dos brasileiros não ficaram surpreendidos com a investigação especial feita pelos repórteres Eduardo Faustini e André Luiz Azevedo, quando o Fantástico mostrou um esquema para fraudar licitações de saúde pública, feito entre fornecedores e funcionários públicos. Sem dúvida alguma, este foi um grande serviço de utilidade pública prestado por esses dois repórteres da Globo e mostrado pelo programa "Fantástrico". Todos os brasileiros de bom caráter e acima de tudo honestos agradecem tal iniciativa da Globo, mostrando os ladrões do dinheiro público. Pena que o mostrado é uma ínfima parte do que vem ocorrendo no Brasil, principalmente no Congresso, ministérios e setores públicos administrados por funcionários do governo. Que tal a Globo fazer uma reportagem semelhante envolvendo as empreiteiras de serviços públicos administrada pelos ministérios? Tenho certeza que tocar á horror em Brasília, a capital da corrupção brasileira.

Rodrigo Diaz disse...

Vejam, os senhores políticos são muito dispostos na hora de criar
projetos que atinjam a sociedade comum. Carreiras bem estruturadas no
serviço p´público eles não defendem. E fazem um projeto que irá
legitimar as péssimas condições de trabalho na grande maioria dos órgãos
públicos. Agora por que tais políticos demagogos não propõem um projeto
que impedisse a eles mesmos de concorrer a outra eleição durante seus
mandatos? Para eles o concurseiro traz prejuízos quando é nomeado
durante o estágio, e por acaso os senhores políticos demagogos não
trazem prejuízo quando abandonam seus mandatos para buscarem cargos
políticos que lhes tragam mais vantagens?

Marco Aurelio disse...

UM PAÍS SE FORTALECE PELA ECONOMIA, MAS SE LIBERTA PELA EDUCAÇÃO.
O BRASIL, INVESTE EM CONSTRUÇÃO DE ESTÁDIOS DE FUTEBOL BILHÕES DE REAIS.
MAS NÃO INVESTE EM POLÍTICA INDUSTRIAL.
RENUNCIOU INVESTIR EM PROJETOS COMO AEREOPORTOS, FERROVIAS, ESTRADAS, PORTOS.
ISTO É UM FREIO AO DESENVOLVIMENTO NACIONAL.
A EDUCAÇÃO E SAÚDE ESTÁ NA RABEIRA DOS ORÇAMENTOS.

João Guilherme disse...

No Brasil, política é um caso de polícia, no Brasil política não é de interesse coletivo e sim individual. No Brasil política é sinônimo de impunidade, no Brasil política é sinônimo de desvio de verba da saúde, saneamento básico, etc.
No Brasil, política é sinônimo de corrupção e apoderar-se do erário público.
Estão fazendo um maior estardalhaço com essas reportagens da Globo, sobre as corrupções nas licitações dessas pequenas empresas, isso aí é peixe pequeno. A Globo tem que fazer reportagens sobre licitações das grandes companhias de engenharia, aí o país vai ter um colapso?
Infelizmente, todo o povo tem o governo que merece e assim é o caso do povo brasileiro. Por que eu falo isso, porque nós tivemos 8 anos de um governo corrupto, em que o presidente só sabia dizer, quando alguém lhe perguntava sobre alguma coisa errada no governo, “EU NÃO SEI DE NADA”. Aí o que o povo fez, simplesmente elegeu uma candidata do mesmo partido para presidência da República, quer mais ou chega?? Eta povinho bom!!!