segunda-feira, 21 de março de 2011

ESTÁ NA HORA DE REAGIR


Quem não passou pela experiência de ver uma menina, ainda adolescente grávida e no ato não se indignou? Se conhecê-la, verá que esta jovem reside em uma comunidade carente ou mesmo nas ruas, e que tem a prostituição e o envolvimento com as drogas como forma de sobreviver.
Portanto, é esta convivência que a fez deixar de estudar e como formula encontrada para ajudar nas despesas familiar este foi o único caminho que a sociedade lhe ofereceu e o meio para obter a sobrevivência. Esta infelizmente é a dura realidade.
É claro, dirá você, que também meninas na mesma faixa de idade na classe média e rica também engravidam. Mas, quando o problema é neste estrato social, a sociedade abre as portas e oferece condições e soluções para que o problema seja resolvido sem que chegue aos ouvidos da comunidade. Para elas existem os abortos consentidos e clínicas preparadas para tal, atitude que para a pobre é ilegal e criminoso e se chegar ao conhecimento da justiça com certeza será duramente penalizada. Porém, para aquela que pode pagar, ninguém sabe, ninguém viu. Inclusive até colocam venda nos olhos da justiça.
Para ela a família terá acesso à rede privada de saúde, diferente daquela que você viu perambulando pelas ruas. Esta dependerá da rede pública de saúde e para quem conhece o sistema público de saúde sabe que este é um exemplo de vergonha, uma excrescência, é o que há de mais abjeto e repugnante como serviço prestado ao ser humano.
É claro que algumas destas jovens excluídas pela sociedade têm coragem e assumem a criança e até conseguem criar, não vamos aqui generalizar e afirmar que todas optam pelo aborto ou mesmo que derivam para o caminho das drogas, porém, aquelas que resolvem assumir o filho, muitas vezes o fazem por falta de opção, já que os abortos para esta classe social são realizados em clínicas clandestinas, com valores cobrados bastante elevados, fora das condições financeiras da família desta jovem. Logo, a única opção que lhe resta é assumir o filho (in)desejado.
Agora, você alguma vez se perguntou de quem é culpa desse problema social tão sério e que ocorre diariamente em nosso País? Será meu, seu, da população ou dos governantes? Você alguma vez já parou para pensar? Talvez não, porque o problema ainda não chegou a você ou próximo. Está distante, não?
É claro que todos temos a nossa parcela de culpa, até porque somos nós quem elege os dirigentes políticos em todas as esferas. Logo, somos todos culpados, porém, neste contexto, a culpa maior dos problemas sociais ocorridos em nosso País, o grande vilão e maior responsável são os nossos agentes políticos, uma vez que eles são dotados do poder de decidir e na grande maioria dos problemas eles se omitem ou não decidem. Esta é a grande verdade.
Alguns pontos são relevantes e podem comprovar a omissão e a responsabilidade dos gestores e agentes políticos, no que se refere aos problemas sociais hoje verificados, entre estes pontos destacamos a educação, saúde, segurança e o desemprego como fatores preponderantes para a situação que se assiste.
Quando falamos em educação, podemos facilmente concluir que temos em nosso País uma educação pública deficiente, de baixo nível de qualidade. Por incrível pareça ainda há lugares que não se tem a garantia de ensino: são diversos municípios com escolas em petição de miséria e onde as nossas crianças precisam andar quilômetros para se chegar a uma escola, que pelas condições estruturais e materiais não oferece nenhuma condição de aprendizado. Muitas vezes o professor é tão analfabeto quanto às crianças que estão em busca do aprendizado.
Aí, não precisa ser psicólogo para poder afirmar que a educação é o setor fundamental e de vital importância para a formação do jovem e seria através da educação de qualidade que aquela jovem que ainda adolescente engravidou, poderia ter se prevenido. É através da educação de qualidade que a médio e longo prazo teremos os nossos problemas sociais resolvidos, uma vez que, o homem bem educado passa ter opinião própria e senso crítico formado, com isto estará capacitado para lutar pelos seus direitos e por certo estará mais protegidos de certas situações que a “sociedade” porventura queira imputar ou de desvio de personalidade e caráter.
Salvo as exceções, podemos concluir que, se um(a) jovem tem acesso a uma educação de qualidade, a probabilidade de cometer um ato, tal como engravidar na adolescência é pequeno, uma vez que ela estará devidamente orientada e consciente do ato e como evitar, mesmo sabendo que nos dias atuais ainda é um tabu a educação sexual nas escolas, cujo conhecimento seria de grande utilidade para os jovens, principalmente àqueles que estão iniciando sua vida sexual.
Quanto a saúde pública, esta continua sendo tratada com tão grande descaso por nossos dirigentes, certos eles que jamais precisarão dela se servir e, como é um serviço a ser prestado ao pobre, então o descaso leva a situação em que hoje se encontra.
Sabemos que os nossos gestores não gostam e sequer aceitam críticas ao modelo que aí está, mas gostem ou não, queiram ou não, hoje a saúde pública do Brasil passa por uma grande e grave crise. E não é por falta de recursos, se assim o fosse, vários gestores públicos e grupos empresariais não seriam denunciados por desvios de recursos e que não são poucos.
Assiste-se hoje hospitais completamente destruídos, outros construídos e sem nenhuma condição de atender devidamente aos pacientes por falta de infraestrutura mínima, alguns inclusive sem médicos ou medicamentos para da um atendimento digno. Infelizmente, este é o modelo oferecido àquela jovem grávida que você viu. Dá para acreditar?
Em relação a violência, vive-se hoje uma verdadeira guerra contra o tráfico, aliada a violência diária onde saímos de casa e não temos garantia se iremos voltar, já que os marginais encontram-se muito melhor armados que os nossos policiais. Isso quando encontramos policiais fornecendo segurança nas vias públicas. E aí nos perguntamos: somos um País com a mais elevada carga tributária do mundo e para onde vai este dinheiro? Afinal cadê o dinheiro retirado compulsoriamente dos contribuintes? Onde está a contrapartida do Estado? Será que o nosso dinheiro só serve para pagar as regalias de nossos políticos ou servir de desvio para enriquecimento ilícito de uma minoria?
Diante do descaso com que a vida humana é tratada pelos nossos dirigentes, é ficando a serviço do tráfico que aquela adolescente grávida que você encontrou, se sentiu mais segura para sobreviver neste mundo cão, onde por sua condição e por não ter uma formação educacional estará fadada ao eterno desemprego e ter que mendigar de porta a porta.
Não adianta a cada situação o IBGE modificar a metodologia de aferição do desemprego no País, como formula milagrosa encontrada pelos seus dirigentes de agradarem ao andar de cima. A taxa de desemprego no Brasil é elevada e só não ver os dirigentes públicos, porque toda a sua família, amigos, correligionários e cabos eleitorais estão com seus empregos garantidos ou mamando nas tetas do serviço público.
Se o desemprego bate nas portas daqueles que tiveram o privilégio de possuir uma boa formação, imagine na família daquela jovem adolescente pobre grávida como não estará a situação em casa, logo ela que recebeu uma educação pública de baixa qualidade e sem perspectiva de condições melhores no futuro.
Para, pense e comece a agir. Você também é responsável.

4 comentários:

Palavradesa disse...

Prezado Francklin,

PARABÉNS ! PARABÉNS ! pela excelente e oportuna matéria.

Fraternal Abraço


Jurandir da Glória

Palavradesa disse...

Parabéns pelos textos, gostei muito do texto sobre nossos idosos...

Emmanuel

P.s: Algumas reflexões...

Marcio "Nelio" disse...

Senhor Francklin,
Concordo em numero, genero e grau, com todas as afirmaçoes sobre a responsabilidade dos agentes políticos, governos etc. Mas não acredito que possamos resolve-los sem a participação da família. Acho que todos os problemas que a nossa sociedade enfrenta tem origem na família, ou na falta de família. Não adianta pedir ao filho para não mentir, se quando alguem indejado bate-lhe a porta, pedem para dizer que não está. Não adianta esbravejar contra os corruptos se em casa ensinamos aos filhos que o mais importante é o dinheiro. Não adianta ser contra a gravidez precosse, se nos os vestimos e cobramos deles, crianças e adolescentes, atitudes de homems e mulheres. Se idolatramos os Fernandinhos da vida e não os Serginhos do volei....etc.... Precisams refletir...

Marcio Nélio

Marcio "Nelio" disse...

Senhor Francklin,
Concordo em numero, gênero e grau, com todas as afirmações sobre a responsabilidade dos agentes políticos, governos etc. Mas não acredito que possamos resolvê-los sem a participação da família. Acho que todo o problema que a nossa sociedade enfrenta tem origem na família, ou na falta de família. Não adianta pedir ao filho para não mentir, se quando alguém indesejado bate-lhe a porta, pede para dizer que não está. Não adianta esbravejar contra os corruptos se em casa ensinamos aos filhos que o mais importante é o dinheiro. Não adianta ser contra a gravidez precoce, se nos os vestimos e cobramos deles, crianças e adolescentes, atitudes de homens e mulheres. E se admiramos os Fernandinhos da vida e não os Serginhos do vôlei....etc.... Precisamos refletir...

Marcio Nélio

>Por favor, se for possível, substitua o comentário anterior, pois contem diversos erros.